World Wide Fund for Nature

A Volvo Construction Equipment adere ao programa Climate Savers do World Wide Fund for Nature

"Na Volvo Construction Equipment, o respeito pelo ambiente é um dos nossos valores fundamentais e muito mais do que um mero conceito ou filosofia: é algo que levamos muito a sério e estamos profundamente empenhados em integrar em tudo o que fazemos. Por isso, é com enorme satisfação que nos juntamos ao Grupo Volvo na colaboração com uma organização ambiental conceituada como é o Fundo Mundial para a Natureza (WWF). O programa Climate Savers do WWF é uma iniciativa empolgante que nos vais ajudar a reduzir ainda mais as nossas emissões de CO2, aumentar a eficiência de consumo de combustível dos nossos produtos e demonstrar que estamos verdadeiramente empenhados em contribuir para a sustentabilidade ambiental." 

Pat Olney
Presidente, Volvo Construction Equipment

A Volvo Construction Equipment (Volvo CE) é o mais recente membro do Grupo Volvo a desenvolver uma parceria com o programa Climate Savers do Fundo Mundial para a Natureza. Uma iniciativa que requer que as empresas participantes assumam o compromisso de reduzir as emissões de CO2 no âmbito das suas operações.  Como parte do acordo, a SDLG, outra marca da Volvo CE e parceira joint-venture na China, tornou-se a primeira empresa chinesa a assumir um compromisso no âmbito do programa.

O Grupo Volvo é membro da iniciativa Climate Savers desde 2010, tendo sido o primeiro fabricante de camiões pesados a assinar o acordo. Na altura, a empresa comprometeu-se a obter uma redução de 13 milhões de toneladas das emissões de CO2 no âmbito de todos os camiões fabricados e vendidos entre 2009 e 2014. Com a Volvo CE, SDLG e Volvo Buses a aderirem agora à iniciativa, o Grupo Volvo visa reduzir a quantidade total de emissões de CO2 ao longo do ciclo de vida dos veículos produzidos antes de 2014 em mais de 30 milhões de toneladas, em comparação com os fabricados em 2008. As unidades de produção do Grupo Volvo irão também reduzir as respectivas emissões de CO2 em 12%, em relação aos níveis de 2008, antes de 2014.